Pesquisa IPEMS/Correio do Estado traz nome do prefeito Waldeli como novidade para a disputa do Governo do Estado

A pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul (Ipems) em 48 municípios mostra o prefeito de Costa Rica – MS, Waldeli dos Santos Rosa (PR), em quarto lugar na disputa embolada pelo governo do Estado entre o ex-governador André Puccinelli (PMDB), o juiz federal Odilon de Oliveira e o atual governador, Reinaldo Azambuja (PSDB).
André levaria pequena vantagem sobre os dois virtuais concorrentes. Ele teria 25,64% das intenções de voto, seguido por Odilon, com 22,47%, e Azambuja, com 21,83%. Como a margem de erro é de 2,51 pontos porcentuais para mais ou para menos, os três estariam hoje tecnicamente empatados na preferência do eleitorado.
A novidade é o desempenho do prefeito de Costa Rica, Waldeli. Ele ganhou projeção nacional por pagar até 17º salário para os professores.  E hoje desponta com 5,55% das intenções de voto, à frente do deputado estadual Coronel David (PSC), com 3,44%, do presidente da Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems), o médico Ricardo Ayache (PSB), com 2,40%, e do senador Pedro Chaves (PSC), com 1,06%.
A pesquisa verificou ainda 17,61% dos eleitores indecisos, bem como com a intenção de anular, votar em branco ou em nenhum deles.
Nem todos colocados na pesquisa, porém, deverão concorrer ao governo do Estado.
Dos nomes submetidos à avaliação, é mais provável a participação de André e Azambuja na sucessão estadual.
A intenção da pesquisa é mostrar o que pensam os eleitores dos nomes colocados para avaliação. Diante do atual quadro, o cargo de governador ficará entre André e Azambuja, se Odilon preferir disputar ao Senado.
André teria hoje mais voto na Capital (28,51%) em relação ao interior (24,24%), ao contrário de Azambuja.
O governador conquistaria 14,48% das intenções de voto em Campo Grande e 25,40% dos eleitores dos municípios do interior. Odilon seria também mais votado na Capital.
O Ipems apurou 26,50% das intenções de voto dos eleitores de Campo Grande a 20,52% do interior.
O prefeito Waldeli, como era de se esperar, teria concentração de votos no interior (7,39%) e apenas 1,76% na Capital.
A pesquisa mostra também a intenção de 7,03% dos eleitores de Campo Grande de votar no Coronel David. Do interior, ele receberia 1,70%.
Ayache obteria a mesma proporção de votos entre a Capital (2,48%) e o interior (2,37%). Já o senador Pedro Chaves receberia 1,53% de apoio do eleitorado de Campo Grande e 0,84% do interior.
*Costa Rica em Foco e Correio do Estado

Comentários

Comentários